Presidente da Arsal aumenta despesas em 250%, omite informações públicas e desobedece Governador

Funcionários denunciam que Lailson Gomes atrasa salários e deixar faltar materiais básicos como água, café e até papel higiênico.


Por Berg Morais

A caixa preta não foi aberta, apesar de diversas solicitações formais realizadas pelas três diretoras executivas ao Presidente Lailson Gomes, indicado pelo PDT. Segundo documentos apresentados a este blog, já foram expedidas várias correspondências e as informações não são fornecidas , com isso o caos se instala. Como são necessárias a assinatura do presidente e de uma diretora para liberação dos pagamentos, a situação tende a se agravar, pois as dirigentes se recusam a validar os documentos apresentados, devido a falta de transparência.

Citando um exemplo da gestão de Lailson Gomes, logo quando assumiu, existia contrato com empresa terceirizada para contratação de pessoal no valor de aproximadamente trezentos e quarenta mil reais, valor este que atualmente representa oitocentos e cinquenta mil, num acréscimo de mais de DUZENTOS E CINQUENTA POR CENTO. Pelo visto, o exemplo do Governador Renan Filho não é seguido pela agência reguladora.

Outro agravante é que a atual empresa CONEXÃO LTDA – contratada emergencialmente em maio do ano passado por seis meses -, continua até a presente data recebendo recursos, mesmo com o contrato tendo expirado, o que configura crime de improbidade administrativa. Segundo informações, desde que o atual presidente tomou posse, deixou de realizar reuniões regulares com a direção do órgão – que é constituída por quatro diretores – e as decisões são tomadas por maioria dos membros.

Caso a situação seja mantida, a ARSAL vai para!  Funcionários sem receber, pagamentos de água, telefone, energia e outros deixarão de ser realizados, o que parece ser inacreditável para uma instituição que tem por finalidade regular serviços. E não é só isso! De acordo com a fonte, funcionários já exonerados continuam trabalhando, assinando e tendo acesso as contas da instituição.

Com a palavra o presidente ou alguém que consiga regular algo por lá. Aí fica a pergunta que não quer calar? Quem poderá nos ajudar?! Se quem deve fiscalizar precisa ser fiscalizado!