Vereadores cobram melhoria na qualidade dos serviços bancários oferecidos em Palmeira dos Índios


Gerentes de agências bancárias estiveram em Plenário para responder sobre denúncias referentes a qualidade do atendimento oferecido.

A sessão legislativa na Câmara Municipal de Palmeira dos Índios desta quarta-feira (29) foi marcada pela discussão sobre a qualidade dos serviços oferecidos pelas agências do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal (CEF) no município. Os gerentes das respectivas agências foram convocados e responderam aos questionamentos feitos pelos parlamentares. Os trabalhos foram comandados pelo presidente da Casa de Leis, vereador Júnior Miranda, com a presença de doze vereadores.

Longas filas para espera de atendimento, falta de dinheiro e papel nos caixas rápidos, falta de atenção por parte dos funcionários, máquinas quebradas, e o não cumprimento das Leis que regulam o funcionamento das agências bancárias de Palmeira dos Índios, foram alguns dos assuntos debatidos no Plenário do Legislativo palmeirense.

O primeiro-secretário, vereador Fabiano Gomes, foi o autor da convocação aos responsáveis pelas duas maiores agências bancárias do município. “São do Banco do Brasil e da Caixa Econômica o maior número de reclamações, sem falar que tratam diretamente com os funcionários públicos do município e estado”, justificou.

A vereadora Adelaide França destacou o descumprimento das Leis municipais que regulam o funcionamento das agências bancárias em Palmeira dos Índios e disse que já foi vítima dos péssimos serviços oferecidos. “Esta Casa aprovou Leis que determinam banheiros disponíveis para clientes em atendimento nas agências bancárias. Além disso, há outra Lei que estabelece o tempo máximo de atendimento em até trinta minutos. Isso não está sendo cumprindo e os bancos devem ser penalizados para poderem respeitar os clientes. Eu mesma já passei seis horas aguardando atendimento. Tive que recorrer a Justiça para reparar os danos sofridos”, disse.

Já o vereador Maxwell Feitosa enfatizou a ausência de ações sociais que deveriam ser realizadas pelas instituições financeiras. “Não vejo um banco aqui de Palmeira fazer um trabalho social. Vemos isso em todo canto. As agências daqui não despertaram para isso. Lucram tanto no município, mas não ajudam nossas instituições que estão gritando pedindo socorro”, desabafou o edil, citando algumas instituições que precisam de apoio.

Ao fazer o uso da palavra, o vereador Cristiano Ramos sugeriu a realização de uma audiência pública com a presença das superintendências dos bancos em Alagoas. Ele criticou duramente a falta de respeito à população em função da má qualidade dos serviços oferecidos. “Os bancos não estão cumprindo sua função social. As agências precisam do alvará de funcionamento por parte do município. Se as agências não estão tendo capacidade para prestar os serviços que se prontificaram, que fecham a agência. Bancos não faltarão para se instalarem no município”, destacou o parlamentar.

O gerente da Agência da Caixa Econômica Federal em Palmeira, Virgílio Carlos, destacou as ações que a CEF tem desenvolvido no município, garantiu verificar as denúncias apresentadas pelos parlamentares e anunciou a chegada de equipamentos para melhoria do atendimento à população. “Vamos verificar todos os temas abordados aqui. Mas já antecipo que estaremos abrindo um Ponto de Atendimento Bancário (PAB), com ambiente personalizado para atendimento dos servidores do município. Isso já irá minimizar o fluxo de atendimento em nossa agência. Vale destacar também que estamos com um planejamento para que no início do próximo ano ampliar o espaço físico da nossa agência”, garantiu.

Por fim, o executivo da CEF negou estar em descumprimento a legislação. “Quanto a questão do abastecimento dos caixas eletrônicos, só faltou duas vezes, isso comprovadamente. São casos que não são recorrentes. Além disso, disponibilizamos sanitários públicos e bebedouros para nossos clientes”, concluiu.